Ultimas Matérias Cadastradas
O Tabernáculo
14:52:36 11/10/2015
E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles. (Bíblia Sagrada) Êxo. 25: 8.







O Tabernáculo


P 01


 


Esta humilde matéria, trata da construção daquela Obra que a humanidade conhece como o Tabernáculo, também passou á ser chamado pelo povo hebreu, de Casa de Ouro. Esta Obra foi construída lá no Deserto, mais ou menos lá pelos (anos 1490 a. C.), enquanto o povo hebreu se transferia do Egito para o que hoje ficou conhecido como Palestina. Obra esta, que uma vez terminada lá no Deserto, passou á funcionar como Casa de adoração ao Senhor nosso Deus. Este Tabernáculo o povo usava como Casa de adoração ao Senhor nosso Deus, e Deus usava-o para ficar talvez um pouco mais de tempo perto do Seu amado povo hebreu.

Esta Obra foi construída através de um projeto inteiramente Divino, o material, e as pessoas engajadas na obra, na sua maioria escolhidos e preparados pelo próprio Deus. Obra esta, que com a construção do Templo do rei Salomão, foi de certa forma abandonada, e certamente com tempo se desfez! Ali não era um acampamento de férias, mas havia muitas tendas, e bem no centro estava à Casa de Ouro. Eram milhares de tendas. Mas não eram de cores vivas como as de hoje, não, eram cinzentas e pretas e abrigavam um povo nômade no deserto. Também não se tratava de um povo pequeno de uma tribo, porém de uma nação de doze tribos, de vários milhões de pessoas.


P 02


Cada vez que retomavam a viagem, formavam um imenso cortejo de homens, mulheres e crianças, além dos animais que os acompanhavam. Sempre que armavam suas tendas formavam um enorme acampamento, cuja disposição era exatamente um quadrado: Três tribos ao leste, três ao sul, três ao oeste e três ao norte. E no centro do acampamento se armava cada vez essa casa, a Casa de Ouro; de ouro e cortinas. Este Tabernáculo funcionava como a Casa de Deus, era aqui que Deus se apresentava, era daqui que Ele falava com o Seu povo. Mas, na verdade, aquelas tendas pretas e essa linda casa não se harmonizam em nada; nem tampouco aquele povo com Deus.

Ah, que coisas se passavam nessas tendas! Cada família tinha suas preocupações e tristezas, também suas brigas e miséria. Ah, se pudéssemos ter olhado e escutado dentro dessas tendas! Se tivéssemos a possibilidade de ver o que se passava em cada coração! Nunca podemos nos esquecer que aquele povo vinha fugindo da escravidão lá do Egito, e agora atravessava um deserto onde as dificuldades não tinham tamanho, limite e nem explicações. Assim, olhando e ouvindo, o que se falava, e se fazia dentro daquelas tendas, seria difícil até mesmo de acreditar. Exatamente as mesmas coisas que em nossos próprios corações tem acontecido pela vida a fora, como por exemplo: Egoísmo, orgulho, pensamentos impuros, ódio e aversão contra certas pessoas, e aí por diante.


A Glória de Deus entre o Seu Povo.


Por que essa Casa de Ouro, a casa de Deus, está no meio desse povo? Por que Deus se interessa por essa gente? Por que Ele não deixa as pessoas à sua própria revelia? Por que Ele não fica na Sua Glória, convivendo com os seus Anjos e não deixa esse povo pra lá? Não, Ele Deus desce da Sua Glória, ordena a construção da Casa de Ouro, o Seu Santo Tabernáculo, na Terra, lá no meio do Deserto, com todas aquelas dificuldades. Quer viver no meio do Seu povo, e quer que o povo, viva o mais próximo d’Ele possível. Todo o povo de Israel, aliás, você e eu também somos benvindos há presença de Deus. ─ Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (Bíblia Sagrada) Joã. 3: 16.

O Seu desejo de habitar entre a humanidade não se refere somente aos dias em que o povo de Israel se transferia, do Egito para a terra de Canaã. Aplica-se também ao nosso tempo, ao futuro de toda a humanidade. Eis o Tabernáculo de com a humanidade: ─ E eu, João, vi a Santa Cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia dos Céus (do Espaço), adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.


P 03


E ouvi uma grande voz dos Céus, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com a humanidade, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo e Deus estará com eles e será o seu Deus. (Bíblia Sagrada) Ap. 21: 2 – 3.


A Casa Maravilhosa.


Aquela Casa de Ouro, a Casa de Deus, fala-nos do Filho de Deus. Fala de Deus e da Sua Glória. A história do Tabernáculo – também conhecido como tenda da congregação – não é uma mera descrição de um santuário qualquer, sem um significado mais profundo. Que sentido teria dedicar tantos capítulos da Bíblia Sagrada na descrição tão detalhada de todas as medidas, pesos e materiais? A concepção daquela casa reflete os pensamentos de Deus; fala-nos da Sua Glória, da Sua majestade, e nos leva para um futuro muito distante; nos leva á uma Cidade de Ouro, a Nova Jerusalém. Ao receber as ordens para construir o Tabernáculo lá no Deserto, á Moisés também foi mostrado um modelo nos Céus, nos Espaço.

Conforme tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis. (Bíblia Sagrada) Êxo. 25: 9. Aquele mesmo Tabernáculo fazia uma espécie de representação do Próprio Jesus, o Cristo sobre a Terra; vejamos o que nos diz a Carta aos Hebreus: ─ De sorte que era bem necessário que as figuras das coisas que estão nos Céus assim se purificassem; mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer, por nós, perante a face de Deus; (Bíblia Sagrada) Heb. 9: 23 – 24.

Pois lá nos Céus, na presença de Deus o nosso Criador, quem representa toda a Riqueza, toda a Glória é Ele o Senhor Jesus Cristo. Ele Jesus Cristo é o centro de todos os pensamentos e propósitos de Deus, de eternidade em eternidade. Se nós estudarmos a Palavra de Deus com o mínimo de atenção descobriremos todas essas maravilhas. E comparando tudo isso com aquele Tabernáculo, veremos as semelhanças. O Senhor nosso Deus com o Seu Espírito inspirou pessoas há construírem aquela maravilhosa Casa de Ouro, o Seu Tabernáculo.

Assim como também por um longo tempo inspirou os Seus servos para escreverem a História Sagrada, para que hoje nós possamos ter em nossas mãos uma mínima parte dela, chamada Bíblia Sagrada, uma espécie de bússola que nos leva á Deus. E assim, bem no começo da Bíblia Sagrada, no seu segundo livro chamado Êxodo nós encontramos a descrição da construção do Tabernáculo. Se prestarmos bem atenção, veremos que não é uma planta de uma construção civil qualquer,


P 04


podemos ver que é algo todo especial representando os desejos e os pensamentos do próprio Deus, o nosso Criador. Se nós lermos e observarmos com atenção, veremos que cada detalhe da construção, tem o seu próprio significado. E esses significados, nós podemos buscar e encontrar na Palavra de Deus, porque as Sagradas Escrituras nos dão as reais explicações.


A Ordem para Construir.


Aquela casa então não podia ser edificada segundo as ideias humanas, pois o projeto era gloriosamente Divino. Seria edificada sim, porque aquilo era um plano, um desejo do Próprio Deus Todo-Poderoso. ─ E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles. (Bíblia Sagrada) Êxo. 25: 8. O Senhor nosso Deus pessoalmente mostrou o modelo á Moisés quando este esteve com Ele durante quarenta dias no monte Sinai. ─ E Moisés, entrando pelo meio da nuvem, subiu ao monte; e lá permaneceu quarenta dias e quarenta noites. (Bíblia Sagrada) Êxo. 24: 18.

 É por esta razão que na descrição da construção lemos repetidamente que fizeram tudo segundo o Senhor tinha ordenado. ─ Assim se concluiu toda a obra do tabernáculo da tenda da congregação; e os filhos de Israel fizeram tudo segundo o SENHOR tinha ordenado a Moisés; assim o fizeram. (Bíblia Sagrada) Êxo. 39: 32. O Tabernáculo seria algo que fugiria realmente a imaginação de qualquer ser humano.


Uma Visão do Tabernáculo.


Vamos examiná-lo de perto, pois de longe somente se vê um cercado de cortinas de linho suspenso entre firmes colunas; 50 metros  de comprimento e 25 metros de largura. Farás também o pátio do tabernáculo; ao lado do meio-dia, para o sul, o pátio terá cortinas de linho fino torcido; o comprimento de cada lado será de 50 metros. E na largura do pátio do lado do ocidente haverá cortinas de vinte e cinco metros; as suas colunas, cinco, e as suas bases, cinco. (Bíblia Sagrada) Êxo. 27: 9, 12.

Um côvado hebreu media cerca de 50 cm, assim, o (átrio = pátio) media 50 metros de comprimento, por 25 metros de largura, era mais ou menos isso. Por cima da cerca ainda se pode ver o teto da tenda, que está do lado de dentro do cercado e que mede 10 côvados de altura, ou seja, 5 metros. A cor do teto não era muito bonita. Não, o que se vê deste lado realmente não é muito atrativo. As coisas de Deus muitas vezes são meio assim, não são muito atrativas ao gosto humano. É que as coisas de Deus para o ser humano muitas vezes parece loucura.


P 05


─ Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus e loucura para os gregos. (Bíblia Sagrada) I Cor. 1: 18, 22 – 23. Quando o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, esteve aqui na Terra, as pessoas também não viram n’Ele algo especial – nada de atrativo, visto que tudo estava oculto para eles.

Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos. Era desprezado e o mais indigno entre os homens, homem de dores, experimentado nos trabalhos e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum. (Bíblia Sagrada) Isa. 53: 2 – 3. Esta é a experiência pela qual cada cristão verdadeiro deve ter passado. Antes não havia nada em Cristo que me atraísse; mas agora que O conheci, Ele vem se tornando cada vez maior e mais precioso para mim.


Entrada Proibida.


Vamos nos aproximar um pouco mais. Como é impressionante este cercado! As cortinas, bem brancas, contrastam com as tendas cinzentas ao redor. Transmitem a impressão da pureza e santidade que se requer lá dentro. E que altura: Cinco metros, assim ninguém pode olhar por cima. É como se Deus não quisesse se deixar ver. Não se dá, assim, prontamente, as boas vindas, é como se essas cortinas altas e brancas falassem: Entrada proibida. O assunto é sério: Normalmente o acesso às coisas de Deus são um tanto difíceis, muitas vezes se faz necessário empregar esforços. A Lei e os Profetas duraram até João Batista; desde então, é anunciado o Reino de Deus, e todo, ser humano emprega esforço para entrar nele. (Bíblia Sagrada) Luc. 16: 16.

Houve somente um homem que era tão claro e puro como aquelas cortinas, esse é Cristo Jesus, o único e suficiente Salvador da humanidade, puro e perfeito e nos aperfeiçoando. E a sua vida, meu caro leitor; se harmoniza com a cor, com o branco daquelas cortinas do Tabernáculo? Se à sua vida já se harmoniza com a cor, com o branco daquelas cortinas parabéns, continue assim e nos veremos na Eternidade, lá presença de Deus o nosso Criador, se não, Jesus continua chamando: ─ Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. (Bíblia Sagrada) Mat. 11: 28. Muitos querem se chegar á Cristo, parece-lhes a coisa certa a fazer, mas o Tabernáculo tem uma cerca, não é qualquer morador de uma tenda preta ou cinzenta que pode entrar no Tabernáculo de Cortinas Brancas!


P 06


Nós seres humanos, somos pecadores, somos machados pelo pecado, e para chegarmos á presença de Deus precisamos começar uma transformação. Não podemos vir a Ele simplesmente do modo como somos, não simplesmente dizer que estamos do lado de Cristo ou afirmar que O seguimos. E o que a pureza e a perfeição de Cristo nos mostram, é justamente a nossa impureza, o contraste que nós temos com Ele. Todos nós estamos manchados pelo pecado, a nossa proteção é escura para Deus, formando assim um contraste com as cortinas do Tabernáculo, precisando nós, assim de uma transformação para chegarmos à presença de Deus.

─ Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma! Pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado, como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; com a língua tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura.

Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos. Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso, nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. Mas, agora, se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos Profetas, isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem;

porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, (Bíblia Sagrada) Rom. 3: 9 – 23. Ao decidirmos chegar á Deus, o primeiro passo há ser dado é reconhecer que somos pecadores, e precisamos de uma transformação. Quando nós somos sinceros o suficiente para entendermos e aceitarmos a nossa origem pecaminosa, então podemos nos chegar á Deus com todas as nossas fraquezas, pois apesar de todas as nossas misérias Ele, Deus através de Jesus, o Cristo nos aceitará. Pois do lado oriental do Tabernáculo há uma porta; uma porta aberta para todo pecador arrependido!


A Porta.


Como era ampla a porta do Tabernáculo, havia espaço para todos entrarem! Em certa ocasião Jesus dizia: ─ Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará conforto. (Bíblia Sagrada) Joã. 10: 9.


P 07


Considerando os nossos pecados, Deus deveria mandar fechar a porta, para que todos nós acabacemos na perdição, mas os pensamentos de Deus não são os nossos pensamentos, e você caro leitor, sabe por quê?

Ora, Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (Bíblia Sagrada) Joã. 3: 16. Mas então vemos as maravilhas da graça de Deus, Ele mandou construir uma porta ampla, para que todos pudessem entrar! Essas são as boas novas do Evangelho de Cristo, no Reino de Deus há espaço para todos, todos os que quiserem, todos os que deixarem o mundo e o pecado e aceitarem á Cristo como seu único e suficiente Salvador.


1 – Como você pode ver, a porta é ampla, 20 côvados de largura, cerca 10 metros, não são muitas as portas tão amplas. O Amor de Deus para com a humanidade dispõe de uma amplitude dessa natureza, o suficiente para que todos possam chegar à Sua Glória. Com isso Ele, Deus dá á entender, que a entrada é livre para todos. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador,

que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade. (Bíblia Sagrada) I Tim. 2: 3 – 4. E assim, Deus através de Seu Amado Filho, Jesus Cristo continua chamando por toda a humanidade perdida, quando diz: ─ E o Espírito e a esposa dizem: Vem! E quem ouve diga: Vem! E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida. (Bíblia Sagrada) Ap. 22: 17.


2 – A porta é atraente, é magnífica, são quatro as suas cores, é um bordado com estofo azul, púrpura e carmesim sobre um fundo branco. Essas cores tornam a porta atrativa, convidando a entrar. Elas nos falam da pessoa do Senhor Jesus, conforme veremos mais adiante.


3 – Entrar é fácil, a porta não é de madeira ou metal, é uma cortina de 10 metros de largura e 2.50 metros de altura. Até uma criança pode entrar: ─ Mas Jesus, chamando-as para si, disse: Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque delas é o Reino de Deus. (Bíblia Sagrada) Luc. 18: 16. Jovens e velhos, todos são bem-vindos.


4 – Há somente uma porta, o Senhor Jesus nos deu o significado desta porta quando andava aqui pela terra, quando disse: Eu Sou a Porta. Entrando por Ele nós temos acesso ao Pai: ─ E, vindo, ele evangelizou a paz a vós que estáveis longe e aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. (Bíblia Sagrada) Efé. 2: 17 – 18. Só na Porta, só n’Ele, em Jesus nós alcançamos salvação. ─ Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador. (Bíblia Sagrada) Isa. 43: 11. É errado o que dizem alguns afirmando que todos podem se salvar, só que cada um tem a sua própria maneira.

 

P 08


Na verdade todos podem ser salvos, mas só existe uma maneira de ser salvo. ─ Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho á seu tempo. (Bíblia Sagrada) I Tim. 2: 5 – 6. Só através d’Ele, nós teremos acesso há uma Eternidade com Deus.


A Porta Fechada.


Nós não podemos nos esquecer, que a mesma Bíblia Sagrada que nos ensina que, em Jesus há uma porta aberta para a salvação de toda a humanidade, também nos ensina que em algumas circunstâncias, essa mesma porta poderá ser fechada. ─ E os que entraram, macho e fêmea de toda carne entraram, como Deus lhe tinha ordenado; e o SENHOR a fechou por fora. E expirou toda carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado, e de feras, e de todo o réptil que se roja sobre a terra, e de todo homem. (Bíblia Sagrada) Gên. 7: 16, 21. Os que estiverem preparados, entrarão e participarão das bodas do Cordeiro, os outros ficarão de fora. ─ E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. (Bíblia Sagrada) Mat. 25: 10.



                          Uma Visão Geral do Tabernáculo


         


Cortinas de linho cercavam o (átrio = pátio) onde estavam o altar do holocausto, a bacia de bronze e a casa de ouro coberta de tapetes. Daqui, Deus se manifestava ao Seu povo Israel que geralmente estava acampado ao redor dessa monumental construção.


P 09


Apesar do ser humano não ser merecedor de coisa alguma, o Senhor nosso Deus nos trata com Amor, com um Carinho todo especial! Certa vez o Senhor Jesus descendo o Monte das Oliveiras em direção há Jerusalém, Ele parou e falou: ─ Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! (Bíblia Sagrada) Mat. 23: 37. Deus é Justiça, mas também é Amor, e Ele sempre quis habitar, conviver com os seres humanos, aliás para isso Ele os criou.

─ E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do SENHOR Deus, entre as árvores do jardim. (Bíblia Sagrada) Gên. 3: 8. O caminho do Tabernáculo, ao entrar pela porta (a parte central na fachada), passando pelo altar, dos sacrifícios, pela bacia de bronze e pelos véus, conduzia ao lugar conhecido como Santo dos Santos, neste ambiente o Sumo Sacerdote entrava uma vez por ano. Seria aqui, neste compartimento que o Senhor nosso Deus se manifestava, como dizem alguns, onde Deus habitava.

A mesma porta continua aberta, e o mesmo caminho continua livre para a humanidade pecadora, Eu Sou a Porta disse Jesus, e aqui Ele conclui quando diz: ─ Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim. (Bíblia Sagrada) Joã. 14: 6. Como podemos ver, a porta continua aberta, e o caminho continua livre, mas nós precisamos entrar pela porta, e passar pelo caminho para chegarmos á Presença de Deus.

Lá no Deserto a Casa de Ouro era cercada com cortinas brancas. Na verdade a pureza e a santidade de Deus deveriam fazer a diferença entre Deus inteiramente puro e o ser humano pecador. No projeto Divino havia uma porta larga e bonita, por aquela porta todos podiam entrar, desde que tivesse uma vida de pureza diante de Deus. Isso quer dizer que, a Porta está aberta, e o caminho continua livre para o ser humano que tenha o mínimo de boa vontade para com Deus.


         P 10                                                                


     


E infelizmente ou felizmente, as coisas de Deus funcionam assim, ou estamos como Ele, ou estamos sem Ele, não existe meio termo. É na verdade uma dura diferença de vida ou morte, com Cristo temos a vida, e sem Ele morreremos. ─ Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá.

Crês tu isso? (Bíblia Sagrada) Joã. 11: 25 – 26.  Quem entrar por esta Porta que se chama Jesus Cristo encontrará o que nós costumamos chamar de salvação. Essa salvação na verdade não é bem aquilo que muitos veem anunciando, oferecendo, uma morada num tal de céu maravilhoso, cheio de luzes e cores, cheios de santos pendurados pelas paredes, não, a salvação que a Bíblia Sagrada nos fala de nos levará de volta à presença de Deus. Assim como os nossos pais, Adão e Eva viviam lá no Jardim do Éden.


O Altar do Holocausto.


Ali vem um homem, um membro do povo de Deus, ele aparenta estar com problema, está inquieto, angustiado, ele pecou, ele cometeu um crime contra Deus, contra o seu Criador! E numa tentativa de amenizar o seu sofrimento, ele trás uma pobre ovelha para ser sacrificada á Deus em seu lugar, o sangue derramado desse pobre animal inocente, aliviará o sofrimento, a consciência do seu dono! Pois neste Tabernáculo, se apresenta o único e verdadeiro Deus, o Deus que é Justiça, mas também amor!

─ Eu amo os que me amam, e os que de madrugada me buscam me acharão. (Bíblia Sagrada) Pro. 8: 17. Esse homem pecador poderia ter fugido de Deus, indo na direção oposta levando consigo o seu pecado, e a sua condenação anunciada, mas isso não resolveria o seu problema. Ele fez exatamente caro leitor; o que você e eu faríamos, ele recorreu ao Sangue inocente derramado para lavar o seu pecado.


P 11


─ Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos lava, e nos purifica de todo pecado. (Bíblia Sagrada) I Joã. 1: 7.


O Átrio = Pátio.


E aí o nosso personagem trazendo a sua linda e inocente ovelha para ser sacrificada, vai passando ao largo de todo o lado norte da cerca de cortinas brancas, cuja pureza lhe fala à consciência. Chegando então ao lado oriental, ali vê a porta amplamente aberta à sua inteira disposição; ele não hesita, entra. Agora ele está no (átrio = pátio) do Tabernáculo, tendo à sua frente à linda e Santa Casa de Ouro, a Casa de Deus entre o Seu povo, lá no meio do Deserto. Uma Casa que além de toda beleza, ainda impressiona pela altura, eram 5 metros de altura. O Sol queima forte sobre a areia do pátio, afinal estava no meio do deserto.

Ele o nosso personagem, agora certamente diante do Altar do holocausto, segurando à sua pobre ovelhinha, olha para a Casa de Ouro e sente como que o olhar Divino traspassar seu corpo e penetrar em seu coração. Um sacerdote aproxima-se dele e pergunta, o que há com você? E o homem com dificuldade responde, eu pequei e estou com medo que Deus me castigue, por isso estou aqui trazendo a minha ovelhinha de estimação para apresentar ao Senhor como sacrifício. Sim, diz o Sacerdote, você veio ao lugar certo, pois o Senhor nosso Deus preparou tudo isto aqui exatamente para aliviar o sofrimento, a consciência dos pecadores!


Altar e Sacrifício.


Então diz o Sacerdote, não se aflija, venha comigo e traga à sua ovelhinha. E assim vão juntos até ao primeiro equipamento do Tabernáculo, o grande Altar de bronze, o Altar do holocausto. Junto ao Altar, era o lugar onde se matava o animal para oferecê-lo á Deus como sacrifício. É difícil, talvez impossível imaginar o número de animais, mortos e queimados naquele Altar ao longo da história sagrada.

Aquele Altar e os seus sacrifícios, são um antítipo de Cristo e Sua obra redentora na cruz do Calvário. Este é o ponto central de todos os pensamentos de Deus e a única base para a salvação da humanidade perdida. Tanto o Altar como os milhares de sacrifícios oferecidos ao longo de muitos sáculos representam um impressionante quadro do sacrifício perfeito de Cristo e de Sua obra de redenção na cruz. De Eternidade em Eternidade, a cruz do Redentor é o marco central entre Deus e a humanidade perdida.


P 12


O Plano de Deus.


Deus sabia de antemão o que haveria de suceder à criação, Ele conhecia os propósitos do diabo, que queria arruinar tudo que é de Deus; cujos planos seria destruir todas as obras de Deus, inclusive toda a criação, tanto humana como animal. Mas já muito antes desde a eternidade, Deus tinha um plano em Seu coração pelo qual Ele salvaria a humanidade dos seus pecados, da perdição que para ela estava preparada. Afinal Ele é o único e verdadeiro Deus, toda a existência lhe pertence, todas as coisas estão nas suas Santas e poderosas mãos.

E o ser humano foi criado para depois de uma longa vida sobre a Terra vir há fazer parte da existência do Próprio Deus, o seu Criador. ─ Eu não peço somente por estes, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. (Bíblia Sagrada) I Joã. 17: 20 – 21. O ser humano deveria ser julgado e condenado há perdição pelo seu pecado, ou seja, pelo crime de desobediência que ele cometeu contra o seu Criador.

Porém, se tal acontecesse, o Senhor nosso Deus perderia à sua obra primordial, a criação da humanidade, a criação do homem e da mulher, à Sua imagem e semelhança! Mesmo porque Deus é Justiça, mas também é Amor! Então havia da parte de Deus um plano todo especial: Jesus, Cristo desceria há Terra, se faria homem, e daria à Sua vida pendurado naquela cruz, assim resgataria a humanidade do mundo, do pecado, da perdição e assim nos daria a oportunidade de chegarmos de novo há Presença de Deus. Naquele Altar, cada animal sacrificado através de todo o Antigo Testamento apontava para o Filho amado de Deus, que um dia também seria crucificado morto e sepultado, restaurando assim a humanidade há confiança do seu Criador.


Morrer em Lugar de...


Vejo que você já trouxe um animal para o sacrifício, disse o Sacerdote ao homem com a ovelha. Sim, respondeu ele, eu sabia que devia trazer. É verdade que a minha pobre ovelha deve morrer? Sim, responde o Sacerdote, sem derramamento de sangue não há possibilidade de remissão dos pecados.

─ E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão. (Bíblia Sagrada) Heb. 9: 22. Mas, a minha pobre ovelha é inocente, ela é o nosso animalzinho de estimação! Aí é que está a questão. Pois, se faz necessário que a sua ovelha seja inocente, se ela fosse culpada o seu sangue não teria valor expiatório, ela precisa ser inocente para que o seu derramado possa redimir os seus pecados, à sua culpa diante de Deus.


P 13


Pois alguém culpado, não poderá defender outro culpado. Por seu pecado você deve morrer, a menos que alguém inocente morra em seu lugar! Agora, ponha a sua mão sobre a cabeça da sua ovelhinha inocente, fazendo assim, você reconhece que é culpado e a ovelha inocente. Deus vê neste ato a sua identificação com a ovelha para sacrifício. Desta maneira a ovelha ou o cordeiro é feito culpado, morta a ovelha ou o cordeiro, você é considerado inocente, e está livre como antes era o seu animal. Calado, o homem põe a sua mão na cabeça do animal, algumas preparações mais, a faca corta, e o sangue do animal verte para a areia do deserto.

É uma cena um tanto solene, porém é terrível assistir a isso, no entanto, o homem suspira aliviado do seu pecado, e – por um momento – eleva os seus olhos aos Céus; é como se um grande fardo tivesse caído de seus ombros. O animal, uma ovelha, ou um cordeiro morreu em seu lugar, e assim lhe será perdoado o pecado. ─ E tirará toda a gordura, como se tira a gordura do sacrifício pacífico; e o sacerdote a queimará sobre o altar por cheiro suave ao SENHOR; e o sacerdote fará propiciação por ela, e lhe será perdoado o pecado. (Bíblia Sagrada) Lev. 4: 31. E assim o homem, o pecador suspira aliviado. Isso foi lá no passado, lá Deserto, agora, aqui no presente o Cordeiro sacrificado para tirar os nossos pecados foi o Senhor Jesus, o Cristo!


E Você?


E você meu caro leitor(a), já teve a oportunidade de fechar os olhos e imaginar Jesus Cristo, o Filho do Próprio Deus pendurado naquela cruz, dando à Sua vida para que a humanidade tenha permissão para chagar há presença de Deus? Ele, o Filho de Deus desceu da Sua Glória, se fez homem, e se deixou crucificar e morrer pelos nossos pecados. Jesus, o Cristo veio há este mundo e deu Sua vida por toda a humanidade, porém, nem todos alcançarão tal benefício. ─ Veio para os que eram seus, mas os seus não o receberam. Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: Aos que creem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. (Bíblia Sagrada) Joã. 1: 11 – 13.

Como você pode ver agora depende um tanto de você, levantar a mão e gritar: Senhor Jesus, eu também creio em TI, e te aceito como meu único e suficiente Salvador. Cristo morreu por todos aqueles que puseram a sua mão sobre o animal na hora do sacrifício: Este é o Cordeiro de Deus, a partir da Sua morte nós pecadores poderemos verdadeiramente respirar aliviados, pois a partir de então o pecado não terá mais domínio sobre nós. ─ Porque o pecado não terá mais domínio sobre vós, pois não estais mais debaixo da lei, mas debaixo da graça. (Bíblia Sagrada) Rom. 6: 14.

 

P 14


A partir do momento que o ser humano reconhece os seus pecados, chega-se á Jesus e pede à Sua ajuda, aceita à Sua graça, e começa uma caminhada de fé, tudo começa há mudar na sua vida, até chegar a Eternidade, a Presença de Deus!


Qual Era o Tamanho do Altar?


Bem, agora o Sacerdote toma o animal e o leva para o Altar. Somente então é que o homem, o nosso personagem passa há olhar com mais atenção para o Altar. O Altar era um quadrado de aproximadamente 2.50 x 2.50, funcionava como uma espécie de assador, o fogo ali era quase que permanente. O pecado daquele homem não era nenhuma casualidade, a Bíblia Sagrada nos ensina que todos nós pecamos contra o nosso Criador. ─ Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, (Bíblia Sagrada) Rom. 3: 23 – 24.

Mas, a mesma Bíblia Sagrada nos aponta a forma de nos chegarmos há Ele, há Deus, e assim nos livrarmos de tudo isso. Sempre, é claro admitindo que somos seres humanos, sempre sujeitos há errar. Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. (Bíblia Sagrada) I Joã. 2: 1.  

A Lei trás cinco mandamentos envolvendo a conduta do ser humano para com Deus e cinco envolvendo a sua conduta para com o seu próximo, porém, a Lei já foi cumprida. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. (Bíblia Sagrada) Rom. 6: 14. No Antigo Testamento, nós tínhamos um Altar de bronze onde eram sacrificados animais inocentes, cujo sangue derramado aliviava a consciência pesada do ser humano,

porém, o último altar foi à cruz, e o último Cordeiro sacrificado foi o Senhor Jesus, o Cristo! Hoje, à nossa consciência pode ser aliviada há qualquer momento, desde que tenhamos a dignidade de olhar para o altar, para a cruz, e assim vermos lá o último Cordeiro sacrificado, o Cordeiro de Deus, Jesus Cristo. O Altar tinha quatro lados, há quatro estações, quatro direções do vento ou confins da terra. Eis aí quatro cores na porta do Tabernáculo, há quatro Evangelhos que falam do Salvador do Mundo.

 

P 15                                         

                



Neste Altar havia sacrifício continuamente, pela manhã e a tarde.



                                       O Altar do Holocausto


                                                         

P 16


O Altar de Bronze.


Este é o Altar que aparece com chamas de fogo lá dentro do pátio. Este Altar era quadrado, media 2.50 x 2.50, dois metros e meio por dois e meio, 1.50, um metro e meio de altura. Aquele Altar era construído em bronze, era um material resistente ao fogo e permitia a possibilidade de transporte, mesmo que fosse pessoal, transportado por quatro ou mais pessoas.

Na verdade, ele era construído em madeira e revestido de bronze. O bronze representa a força, a resistência e sendo polido, ainda representa a beleza. ─ Os seus ossos são como tubos de bronze; a sua ossada é como barras de ferro. (Bíblia Sagrada) Jó 40: 18. Mais que isso, fala de uma força capaz de suportar o fogo do Juízo de Deus. Lá naquele mesmo Deserto enquanto caminhavam houve uma rebelião de um grupo, e o resultado foi à destruição pela Ira de Deus, com fogo saindo certamente do próprio Altar.

─ Então, saiu fogo do SENHOR e consumiu os duzentos e cinquenta homens que ofereciam indevidamente o incenso. E falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Dize a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote, que tome os incensários do meio do incêndio e espalhe o fogo longe, porque santos são; quanto aos incensários daqueles que pecaram contra a sua alma, deles se façam folhas estendidas para cobertura do altar; porquanto os trouxeram perante o SENHOR; pelo que santos são e serão por sinal aos filhos de Israel.

E Eleazar, o sacerdote, tomou os incensários de metal, que trouxeram aqueles que foram queimados, e os estenderam para cobertura do altar, (Bíblia Sagrada) Núm. 16: 35 – 39. Nós podemos observar aqui, que as pessoas, foram queimadas, destruídas, mas o material usado que era metal foi salvo e reaproveitado. Pois nesse material havia uma resistência capaz de suportar, em ternos, até mesmo o Juízo de Divino. Como vimos em toda a humanidade não houve ninguém capaz de suportar tal Juízo. Toda a humanidade caiu diante das Leis e dos Juízos Divinos, até que apareceu Jesus, representando todos aqueles sacrifícios, capaz de suportar, desde todas as agressões humanas, até todos os Juízos de Deus.

─ Não pense que Eu vim destruir a lei ou os profetas; não vim anular a Lei, mas cumprir. (Bíblia Sagrada) Mat. 5: 17. Como podemos ver, em toda a existência, não houve outro ser capaz de cumprir todas as Leis Divinas, capaz de suportar todos os Juízos de Deus e assim resgatar a humanidade da perdição e leva-la de vota há Presença de Deus. Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu rei virá a ti, justo e Salvador, pobre e montado sobre um jumentinho, sobre um filhote, de jumenta. (Bíblia Sagrada) Zac: 9: 9.

 

P 17


          A Grelha, o Fogo, e os Chifres do Altar.


Mais ou menos à meia altura daquela caixa, existia uma grelha certamente de aço, é claro. Sobre aquela grelha ardia uma chama de fogo, segundo alguns especialistas, fogo este provocado pelo próprio Deus, e que a partir de então ardia, dia e noite sem parar. ─ Porque o fogo saiu de diante do SENHOR e consumiu o holocausto e a gordura sobre o Altar; o que vendo todo o povo alegrou-se e prostrou-se diante de Deus. (Bíblia Sagrada) Lev. 9: 24. E assim, cada um que oferecia um sacrifício, recebia uma espécie de perdão temporário, pois aquele sacrifício só valia até ele pecar novamente. Então a fila de pecadores, e de animais sendo sacrificados era permanente, pois o ser humano é um pecador constante, aquele que diz que não peca é mentiroso, já está pecando.

─ Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, (Bíblia Sagrada) Rom. 3: 23 – 24. E assim aquele povo que se chamava pelo nome do Senhor, continuou oferecendo os seus sacrifícios e esperando que o Cordeiro de Deus um dia fosse sacrificado por todos de uma só vez! Àquele que não conheceu pecado, mas assumiu os nossos pecados; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus. (Bíblia Sagrada) II Cor. 5: 21. E a partir de então todos os nossos pecados já estão perdoados, desde que reconheçamos que Ele foi crucificado por nós.

Depois de contemplarmos tudo isso, podemos sentir o Amor de Deus para com o ser humano, dando de alguma forma o seu único Filho para ser sacrificado por nós. A partir de então, o ser humano que não aceita tal sacrifício, automaticamente rejeita a misericórdia de Deus, e aí o que lhe resta sinceramente é a perdição eterna! Nos quatro cantos daquele Altar haviam quatro pontas, que eram chamadas de chifres, aquelas pontas eram molhadas de sangue e apontavam para os Céus, era como que estivessem apresentando o sangue o sacrifício há Deus. Assim o Altar, sobre o qual era oferecido o sacrifício, veio a ser uma figura de Cristo. Tal como o altar apresentava á Deus o sacrifício, assim Cristo a Si mesmo se ofereceu á Deus.

Foi este aspecto que conferiu o valor ao Seu sacrifício: Agora podemos compreender a mensagem que diz: O Altar é maior que a oferta, porque o Altar santifica a oferta. ─ Insensatos e cegos! Pois qual é maior: a oferta ou o altar, que santifica a oferta? (Bíblia Sagrada) Mat. 23: 19. Jesus, Cristo aqui representa: O Altar, a Oferta e o Sacerdote. Eu costumo dizer em palavras comuns que: O último Altar foi à cruz, e o último Cordeiro sacrificado foi o Senhor Jesus! Aqui nós vemos algo mais ou menos assim:


P 18


Vemos o Senhor Jesus se entregando ao Pai, e o Pai entregando-O ao sacrifício pela humanidade perdida. Daí, nós temos a oportunidade de ouvir Jesus falando: ─ Por isso, o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. (Bíblia Sagrada) Joã. 10: 17.

Naquele Altar, o sacrifício era contínuo e, muitas vezes de um volume espantoso. ─ Ofereceu Salomão em sacrifício pacífico o que apresentou ao SENHOR, vinte e dois mil bois e cento e vinte mil ovelhas. Assim, o rei e todos os filhos de Israel consagraram a Casa do SENHOR. (Bíblia Sagrada) I Rei. 8: 63. Porém, nenhum volume de sacrifício foi capaz de atingir a meta necessária para mover o Coração de Deus, depois de tudo isso ainda faltava o sacrifício expiatório de Cristo na cruz! Vejamos aqui o que diz a carta aos hebreus: ─ Nesses sacrifícios, porém, cada ano, se faz comemoração dos pecados, porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire pecados. (Bíblia Sagrada) Heb. 10: 3 – 4.

                                   

O Altar do Incenso.


No Altar do incenso, todo coberto de ouro, não se ofereciam animais por sacrifício como no grande Altar de bronze que estava no pátio. Aqui só se podia queimar incenso aromático, o cheiro agradável do incenso subia a Deus. O incenso naquele Altar representava para o Senhor nosso Deus mais ou menos o que representa hoje as nossas orações, os nossos louvores, as nossas ações de graça. ─ Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e seja o levantar das minhas mãos como o sacrifício da tarde. (Bíblia Sagrada) Sal. 141: 2.

─ Portanto, ofereçamos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. (Bíblia Sagrada) Heb. 13: 15. Tudo isso sobe há Deus através de Jesus Cristo que na minha maneira de ver representa o Altar do incenso, levando á Deus as nossas orações e os nossos louvores. Seriam aceitáveis as nossas orações e os nossos louvores diretos á Deus? Após a crucificação e a morte naquela cruz, para o resgate da humanidade, parece que o Pai faz questão que tudo que vem do ser humano passe por Jesus para chegar á Ele.

Os filhos de Deus ainda podem fazer isso em conjunto como sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais agradáveis á Deus, por intermédio de Jesus Cristo. ─ E, chegando-vos para ele, a pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecerdes sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus, por Jesus Cristo. (Bíblia Sagrada) I Ped. 2: 4 – 5. O incenso aqui utilizado era um produto especialmente elaborado exatamente segundo as instruções Divinas, numa mistura de quatro ingredientes.  


 

P 19


─ Disse mais o SENHOR a Moisés: Toma especiarias aromáticas, estoraque, ônica, e gálbano; estas especiarias aromáticas e incenso puro de igual peso; e disto farás incenso, um perfume segundo a arte do perfumista, temperado, puro e santo; e dele, moendo, o pisarás, e dele porás diante do Testemunho, na tenda da congregação, onde eu virei a ti; coisa santíssima vos será. (Bíblia Sagrada) Êxo. 30: 34 – 36.

Não era permitido à sua reprodução, nem o uso pessoal por quem quer que fosse. O incenso era um segredo só para Deus, a plena delícia da Glória do Filho amado é exclusivamente para o Pai. Assim o Pai sempre contempla o Seu amado Filho em plena afeição. No holocausto, no sacrifício vimos Jesus representando a obra da redenção, no Altar do incenso podemos ver quem Ele realmente é para o Pai, e assim Ele será também para nós! Jesus, o Cristo não se qualifica pelos Seus feitos, e sim pelo que Ele realmente é em toda a Existência. No Altar dos sacrifícios, o Sacerdote buscava alguma coisa de Deus, no Altar do incenso ele glorificava á Deus, certamente por si e pelo povo!


                                         O Altar do Incenso


                     


                                                            


O Altar do Incenso, coberto de ouro, não ficava no pátio, mas dentro do Santo Lugar. Os sacrifícios que nele se apresentavam não eram animais, mas incenso aromático. O Incenso era queimado num incensário de ouro, em cima do altar. O Altar era pequeno, não mais que meio metro de largura por meio metro de comprimento, mas tinha um metro de altura. As orações e a adoração dos verdadeiros cristãos sobem como incenso, e são agradáveis á Deus.



P 20


Madeira de Acácia


O Altar do incenso, coberto de ouro, não ficava no pátio, mas dentro do Santo Lugar. Os sacrifícios que nele se apresentavam não eram animais, mas incenso aromático. O incenso era queimado num incensário de ouro, em cima do Altar. O Altar era pequeno, media meio metro, por meio metro quadrado, e um metro de altura. Isto representava uma espécie de anti tipo das nossas vidas consagradas á Deus; a nossa oração e os nossos louvores sobem á Deus como incenso! O Altar era feito de madeira de acácia arábica, uma árvore que nascia e crescia no Deserto. De Jesus é dito:

─ Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha parecer nem formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos. (Bíblia Sagrada) Isa. 53: 2. E era o Filho de Deus: ─ E sabemos que já o Filho de Deus é vindo e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. (Bíblia Sagrada) I Joã. 5: 20. Mas Ele, Deus movido de Amor e Graça, veio a Terra e se fez verdadeiro homem e assim deu Sua Preciosa vida em resgate da humanidade perdida.

─ Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo. (Bíblia Sagrada) Heb. 2: 17.  É claro que como Deus Ele não poderia morrer, isso seria impossível, então Ele se tornou humano, participou da carne e do sangue; em todas as coisas Ele se tornou semelhante ao ser humano, embora sem pecado, para poder assim expiar o pecado da humanidade. Ele teve que fazer-Se homem para que pudesse sofrer o juízo de Deus que se destinava a nós. Ele foi crucificado em fraqueza; é disto que nos fala a madeira do Altar. ─ Porque, ainda que tenha sido crucificado por fraqueza, vive, contudo, pelo poder de Deus. Porque nós também somos fracos nele, mas viveremos com ele pelo poder de Deus que há em vós. (Bíblia Sagrada) II Cor. 13: 4.


A Bacia de Bronze.


A Bacia de Bronze era um recipiente sempre cheio de água usada pelos Sacerdotes para lavar as mãos e os pés, antes de entrarem no Santuário. É bom lembrar que o povo de um modo em geral entrava no pátio e chegava até ao Altar do Holocausto. A Bacia de Bronze já era um instrumento utilizado somente pelos Sacerdotes, os levitas auxiliares só chegavam até aquela Bacia para trazer água.


P 21


Todos os membros, da família levita, eram reservados especialmente para a administração do Tabernáculo, desde o Sumo Sacerdote até o homem mais humilde daquela família todos se empenhavam no transporte, na administração em fim a família levita tinha assim, o cuidado espiritual das coisas de Deus. Arão foi constituído por Deus para ser o Sumo Sacerdote, sendo seguido assim de seus filhos e toda à sua descendência. Ao entrar no Santuário os Sacerdotes chegavam á presença de Deus, daí a necessidade da purificação, a necessidade de lavarem as mãos e os pés cada vez que entravam no Santuário, daí a necessidade daquela Bacia sempre cheia de água limpa.

A Bíblia Sagrada nos ensina que lá na Eternidade, nós administraremos a Terra, e possivelmente todo o Universo, lá nós seremos administradores políticos e espirituais. ─ E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir os seus selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus seres humanos de todos os Países, de todas as Nações e idiomas da Terra; e para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra. (Bíblia Sagrada) Ap. 5: 9 – 10. O Apóstolo Pedro ainda afirma que a partir do momento que nós aceitamos Jesus, Cristo como nosso Salvador pessoal, nós assumimos um sacerdócio Real.

Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; (Bíblia Sagrada) I Ped. 2: 9. E a partir de então nós também precisamos ter sempre à nossa disposição uma Bacia de Água da Vida. Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida. (Bíblia Sagrada) Ap. 21: 6.

Esta mensagem maravilhosa serve para você, que tem o mínimo de boa vontade para com Deus o nosso Criador, e assim almeja um dia chegar e habitar na Sua Santa Presença. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor. (Bíblia Sagrada) Atos 3: 19. E assim, que essa Bacia de Água da Vida possa estar sempre perto de você, sempre à sua inteira disposição!


 

P 22


 


                


Entre o Altar do holocausto e o santuário, estava a bacia de bronze, cheia de água. Aqui os Sacerdotes tinham que lavar as suas mãos e os seus pés, antes de entrarem no Santuário. Eles sempre se contaminavam pelas suas tarefas diárias e caminhadas na areia do Deserto. E para poder dar continuidade ao seu serviço diante de Deus, tinham de se lavar continuamente na Bacia de Bronze. Assim é hoje em dia com cada verdadeiro cristão. Alguém que já aceitou Cristo, o Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque como Salvador, já é filho de Deus;

na verdade agora se tornou um sacerdote para Deus e seu Pai. E, por isso, sempre que tiver se contaminado, deve chegar a Deus confessando os seus pecados, assim ele, ou ela sempre será purificado(a) de novo.


O Tabernáculo em si.


Em seguida nós temos a tão conhecida casa de ouro, pois o Tabernáculo em si era uma casa, de madeira, revestida de ouro puro, da melhor qualidade. A madeira da construção, era composta de tábuas que segundo alguns estudiosos, mediam 1.50 de largura, por 5 metros de comprimento. No total eram 48 dessas tábuas. A madeira era: Acácia ou sitim, a mesma madeira usada na construção do Altar. Assim como no Altar, a madeira brotada da terra, do Deserto, aponta mais uma vez para o Senhor Jesus, nascido e crescido na Terra, verdadeiro Deus, e verdadeiro Homem. Porém, as tábuas eram revestidas de ouro puro. Deve ter sido necessário uma grande quantidade de ouro, porém a história nos conta que ao sair do Egito, o povo saiu às ruas há pedir ao povo egípcio, ouro e prata: Fizeram, pois, os filhos de Israel conforme a palavra de Moisés e pediram aos egípcios vasos de prata, vasos de ouro, e vestes. (Bíblia Sagrada) Êxo. 12: 35.


P 23


Aquelas dez pragas que assolaram ao Egito, deixou o seu povo num estado de pavor aterrorizante. Portanto chegou a hora em que tudo que os egípcios queriam eram ver o povo hebreu pelas costas. Daí quando os hebreus saíram às ruas há pedir presentes de ouro e prata, os egípcios faram dando tudo o que tinham em casa, com uma condição: Que os hebreus saíssem do Egito. Só que viajar há pé pelo deserto, carregados de ouro e prata deve ter sido bem cansativo, por isso quando Moisés pediu ao povo uma oferta de ouro e prata para a construção do Tabernáculo, o povo trouxe tanto ouro, que Moisés chegou mesmo a hora de proibir terminantemente o povo de trazer ofertas.

Como vemos, ouro para cobrir toda aquela madeira, não foi muito difícil de conseguir. O ouro na verdade é um metal precioso, e o Senhor nosso Deus tem feito com o ouro exista em grande quantidade sobre a Terra, é pena, que isso tenha virado artigo de luxo, por enquanto abrangendo praticamente só os ricos. Lá num passado bem distante, um Faraó, um Rei egípcio mandou um presentinho ao seu então colega, imperador de Babilônia, o rei Nabucodonosor. O presentinho de ouro, constava de apenas (90) toneladas de ouro puro, mas o seu então colega de reinado, por alguma razão não aceitou mandando-o assim de volta.

A Bíblia Sagrada nos ensina que o Senhor nosso Deus em termos está construindo uma Cidade lá no Espaço, lá no futuro aquela Cidade descerá para a Terra, e pairará sobre o Oriente Médio numa altura visível aos olhos humanos. A história nos conta que aquela Cidade será construída praticamente de ouro. E a fábrica do seu muro era de jaspe, e a cidade, de ouro puro, semelhante a vidro puro. (Bíblia Sagrada) Ap. 21: 18. Portanto as tábuas de madeira do Tabernáculo representam a verdadeira humanidade de Cristo; e o ouro representa à sua Glória Divina.

E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que se manifestou em carne foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e recebido acima, na glória. (Bíblia Sagrada) I Tim. 3: 16. Na verdade enquanto Jesus andou pela Terra, o pouco que as pessoas viram n’Ele foi o seu lado físico, material, poucos foram os que reconheceram o seu lado Divino. O Apóstolo Pedro apesar da sua fraqueza, teve o prazer de ver em Jesus exatamente o seu lado espiritual, o Seu lado Divino.

─ E Jesus perguntou-lhes: E vocês, quem acham que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. (Bíblia Sagrada) Mat. 16: 15 – 16. E assim como falou um dia o Presbítero João Floriano; a verdadeira Igreja de Cristo sobre a Terra, ninguém engana. Numa outra oportunidade o Senhor Jesus começou á falar e o povo começou á debandar para não ouvi-lo, Jesus então olhando para os Apóstolos, perguntou-lhes, e vocês porque não vão embora também?


P 24


E mais uma vez o Pedrinho responde: Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna, (Bíblia Sagrada) Joã. 6: 68. Por mais nobre que fosse aquela madeira, mas as pessoas que agiam como o Apóstolo Pedro agiu nestas frases, não viam a madeira, essas pessoas só conseguiam ver o ouro cintilante brilhando há luz do sol. Quanto ao Pai Ele apreciava o lado Divino do Seu amado Filho, mas não esquecia o lodo humano, pois naquele momento para Deus em Jesus, no Seu amado Filho se concentrava toda à Sua felicidade, naquele Tabernáculo, Ele o Pai depositara toda à Sua Glória.

O verdadeiro cristão vivendo aqui na Terra, é semelhante aquela madeira, é humano, é físico, é material, porém, também é revestido de ouro, nele, no verdadeiro cristão também brilha a Luz do Espírito de Deus. Ainda que seja uma grande maravilha, a Bíblia Sagrada diz que todo cristão, todo filho de Deus, é revestido da justiça de Deus. Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus. (Bíblia Sagrada) II Cor. 5: 21. Nós não podemos nos esquecer, que por mais sofisticado que tenha sido aquele Tabernáculo, por mais luxuoso que tenha sido o Templo de Salomão,

por mais sofisticados que sejam alguns Templos evangélicos dos nossos dias, Deus o nosso Criador ainda prefere habitar na sua vida, no seu coração que é o Templo do Espírito Santo. É lamentável que a Igreja que se diz de Cristo nos nossos dias, tenha perdido muito do seu precioso revestimento de ouro, as divisões, a ganância pelo dinheiro, tem ofuscado muito o brilho desta madeira que já teve tanta qualidade. Para começar, nós não podemos nos esquecer que aquelas tábuas não eram independentes,

em cada tábua havia quatro argolas, e nestas argolas eram introduzidas travessas que davam ligação às tábuas, mantendo-as unidas e em pé. No começo a Igreja de Cristo por aqui também tinha quatro bases de sustentação: ─ E perseveravam na doutrina dos apóstolos, na comunhão, no partir do pão, e nas orações. (Bíblia Sagrada) Atos 2: 42. Com o tempo essas bases foram ruindo, e hoje a Igreja de Cristo na Terra, infelizmente está bem esfacelada. Ao invés de concreto, o fundamento da casa era de prata. O Arquiteto Divino havia determinado que o fundamento de Sua casa consistisse de grandes blocos de prata; cada bloco pesando cerca de 40 kg.

Sob cada tábua estavam colocadas duas dessas bases de prata. Cada tábua, na sua parte de baixo, tinha dois pinos de encaixe. Em cada base de prata havia um furo. Assim, cada pino de encaixe descansava num dos furos do fundamento de prata. E assim como podemos ver, essa é à base do fundamento da morada de Deus, o seu coração, ela precisa de uma base sólida, e preciosa!


P 25


 ─ E houve cem talentos de prata para fundir as bases do santuário e as bases do véu; para cem bases eram cem talentos: um talento para cada base. (Bíblia Sagrada) Êxo. 38: 27.  




As quatro coberturas do Tabernáculo estava colocadas uma em cima da outra. Na foto, elas estão parcialmente puxadas para trás, para que possamos ver cada cobertura. As suas cores têm um significado espiritual que se encontra e se explica na Bíblia Sagrada. Elas nos contam alguma coisa da Glória Cristo Jesus.


A Nuvem.


Sobre o Tabernáculo pairava uma nuvem, bem acima do lugar onde estava a arca, ou seja, sobre o Santo dos Santos. Aquela nuvem indicava que Deus estava presente. Indicava também o itinerário para a caminhada do povo de Deus, durante o dia ela se apresentava, como uma nuvem, e a noite como uma chama de fogo. ─ Quando, pois, a nuvem se levantava de sobre o tabernáculo, então, os filhos de Israel caminhavam em todas as suas jornadas. Se a nuvem, porém, não se levantava, não caminhavam até ao dia em que ela se levantava; porquanto a nuvem do SENHOR estava de dia sobre o tabernáculo, e o fogo estava de noite sobre ele, perante os olhos de toda a casa de Israel, em todas as suas jornadas. (Bíblia Sagrada) Êxo. 40: 36 – 38.


P 26


Durante o dia aquela nuvem trazia alguma sombra, e assim um pouco de refrigério, á noite a chama de fogo aquecia um pouco o ambiente, e iluminava a caminhada se fosse o caso viajar durante a noite. Pois quando a novem se levantava de sobre o Tabernáculo, o edifício tinha de ser desmontado e embalado segundo as instruções de Divinas, e assim preparado para continuar a caminhada. Então prosseguiam a viagem na direção que Deus indicava por meio daquela nuvem.

Deus como sempre era o próprio Guia do Seu povo, e assim eles caminhavam até a nuvem parar. E quando a nevem parava, recomeçava tudo de novo, não só a remontagem do Tabernáculo, como também a reorganização de todo o acampamento daquela grande multidão. ─ Assim, partiram do monte do SENHOR caminho de três dias; e a arca do concerto do SENHOR caminhou diante deles caminho de três dias, para lhes buscar lugar de descanso. E a nuvem do SENHOR ia sobre eles de dia, quando partiam do arraial. Era, pois, que, partindo a arca, Moisés dizia:

Levanta-te, SENHOR, e dissipados sejam os teus inimigos, e fujam diante de ti os aborrecedores. E, pousando ela, dizia: Volta, ó SENHOR, para os muitos milhares de Israel. (Bíblia Sagrada) Núm. 10: 33 – 36. Nós não podemos nos esquecer que aquela nuvem, ou aquela chama funcionava como um anti tipo do Espírito Santo que agora atua nas vidas daqueles que, deixaram o mundo e o pecado, e caminham na direção da Eternidade, até chegar na Presença de Deus. Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? (Bíblia Sagrada) I Cor. 6: 19. Todo aquele que começa esta caminhada pode contar com a luz e a direção do Espírito Santo. ─ Instruir-te-ei e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos. (Bíblia Sagrada) Sal. 32: 8.


 

 P 27


 


                                         


Aqui nós podemos ter uma noção, de como era aquela Casa sem a sua ilustre cobertura. Pois removendo as cobertas, nós podemos assim olhar dentro do Santo Lugar. As paredes, de 5 metros de altura, eram revestidas de ouro. Na frente, vemos a cortina do Santo Lugar, depois vem o Candelabro de ouro difundindo à sua luz; à direita, está a mesa com os pães da proposição. Um pouco mais adiante está o altar do incenso revertido de ouro. Por último, se vê o véu do Santo dos Santos, bordado com querubins. Detrás deste último véu estava o Santo dos Santos, também conhecido como lugar Santíssimo, com a arca, onde Deus habitava, ou pelo menos de onde Deus se manifestava. No Santo Lugar, os sacerdotes realizavam o seu serviço. Mas, no Santo dos Santos, ninguém podia entrar, somente o Sumo Sacerdote uma vez ao ano, no dia da expiação. Hoje em dia é totalmente diferente. Quando o Senhor Jesus morreu, o véu rasgou-se de alto há baixo, portanto agora o caminho para a Presença de Deus está inteiramente livre.



P 28


 



                                     Mesa dos Pães da Proposição


Sobre esta mesa de ouro ficavam os 12 pães da proposição, cada pão representava uma tribo, um chefe da família israelense. Foram estes pães que Davi, antes de assumir o seu reinado, perseguido de certa forma por Saul e os seus homens, ganhou para matar a fome, sua e de seus companheiros, quando Davi bateu na porta do Sacerdote responsável pelo Tabernáculo. ─ Então, o sacerdote lhe deu o pão sagrado, porquanto não havia ali outro pão, senão os pães da proposição, que se tiraram de diante do SENHOR, para se pôr ali pão quente, no dia em que aquele se tirasse. (Bíblia Sagrada) I Sam. 21: 6. Desse modo a nação israelense era apresentada ao Senhor Deus Todo Poderoso, como pães iluminados pela Luz Celestial daquele magnífico Candelabro de Ouro. Deve ser mais ou menos assim, que Deus ainda comtempla o Seu povo nos dias hoje. Entre as pilhas de pão está um jarro de vinho, e sobre os pães os incensários.


O Candelabro.


Ao se entrar naquela sala, no Santo Lugar, o primeiro objeto há ser visto certamente seria o Candelabro de Ouro. As suas lâmpadas certamente permaneciam acesas durante todo o tempo, e a luz antes de iluminar há quem quer que seja, ilumina-se a si mesma. Dai o primeiro objeto há ser visto naquela sala certamente seria o Candelabro. Esse equipamento tinha um segredo que poucos sabem, a peça original era inclinada para á frente, uma inclinação milimétrica, mas ele era inclinado, sim, inclinação necessária para que as suas lâmpadas pudessem iluminar o próprio equipamento. Este equipamento forma uma espécie de anti tipo de Cristo pendurado na cruz, com sua cabeça inclinada, os Seus olhos enxergavam o próprio corpo. O Candelabro original era de ouro puro, ele não era uma simples peça fundida qualquer, era um equipamento todo forjado a martelo por um hábil ourives, partindo-se de um talento de ouro.


P 29


Para se obter o Candelabro esse ouro puro ia sendo continuamente golpeado, batido e modelado. Aquele que disse eu Sou à luz do mundo, também foi como que, batido, modelado pelos nossos pecados. ─ Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados. (Bíblia Sagrada) Isa. 53: 5. A haste e os braços do candelabro eram uma só peça maciça. E os seus braços davam suporte a sete lâmpadas de azeite, as quais forneciam a luz naquela escuridão que, era aquela sala inteiramente fechada.

As lâmpadas eram cheias de azeite certamente de oliva, o qual é uma figura do Espírito Santo. ─ E tornou o anjo que falava comigo, me despertou, como a um homem que é despertado do seu sono, e me perguntou: Que vês? E eu disse: Olho, e eis um castiçal todo de ouro, e um vaso de azeite em cima dele, com as suas sete lâmpadas; e cada lâmpada posta em cima, tinha sete canudos. E, por cima dele, duas oliveiras, uma à direita do vaso de azeite, e outra à sua esquerda. E falei e disse ao anjo que falava comigo, dizendo: Senhor meu, que é isto? Então, respondeu o anjo que falava comigo e me disse:

Não sabes tu o que isto é? E eu disse: Não, Senhor meu. E respondeu e me falou, dizendo: Esta é a palavra do SENHOR a Zorobabel, dizendo: Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos. (Bíblia Sagrada) Zac. 4: 4 – 6. O mesmo acontece com a verdadeira Igreja de Cristo sobre, a Terra, ela pode difundir a luz, movida pelo Espírito Santo. ─ Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma lâmpada e se coloca debaixo de uma caixa, mas, no velador, e dá luz a todos que estão na casa. (Bíblia Sagrada) Mat. 5: 14 – 15.

Cada lâmpada do Candelabro recebia seus cuidados, pois a parte queimada do pavio não dava mais luz, daí um trabalho para o Sacerdote, remover a sujeirinha do pavio. Um cristão por mais fiel aos princípios Divinos que seja, mas se tiver uma vida entupida por impurezas deste mundo, não pode produzir luz. O que depois de uma limpeza volta há brilhar.



P 30


                                    


 


                                                     O Candelabro


Era o candelabro de ouro que iluminava o Santo Lugar. O mesmo tinha sete lâmpadas abastecidas de azeite de oliva, certamente.


O Santo dos Santos.


Finalmente podemos entrar no Santo dos Santos, mas o que havia ali de tão especial? Nesse recinto perfeito, simbolizado pela sua medida cúbica de: Cinco metros de comprimento, cinco metros de largura e cinco metros de altura, e ali tudo era de ouro puro. Ali, atrás do último véu, estava a Arca, que funcionava como o Trono de Deus, pois era digamos assim, dali que Ele se manifestava direto ou indiretamente ao Seu povo. A Arca era uma caixa de madeira, revestida de ouro puro por dentro e por fora.

Por aí concluímos que a Arca também figurava como mais um anti tipo de Cristo. Sobre a Arca se colocava uma grande prancha de ouro, o propiciatório, medindo um metro e vinte e cinco centímetros, por setenta e cinco centímetros, que tinha em cima os querubins de ouro. Daqui Deus se manifestava numa luz ofuscante e inacessível. No entanto, uma nuvem escura cobria o propiciatório e envolvia a luz. Até então é uma ordem Divina: ─ E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá. (Bíblia Sagrada) Êxo. 33: 20.

Graças á Deus nós já não vivemos mais debaixo da Lei, mas debaixo da Graça: ─Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. (Bíblia Sagrada) Rom. 6: 14. Pois nós estamos caminhando nesta vida exatamente para chegar á presença de Deus. Dentro daquela Arca estavam às tábuas da Lei, com os dez mandamentos, estava dentro dela uma vazo de ouro com um pouco do Maná, um pouco daquele trigo que o Senhor Deus mandava descer do Espaço para o sustento do povo durante há caminhado pelo Deserto.


P 31


Dentro daquela Arca ainda havia a popular vara de Arão, um ramo de amendoeira quase seco que ao ser colocado diante de Deus havia se transformado, criou folhas, flores e produziu frutos, mesmo sendo cortado, estando longe do seu tronco. A tal amendoeira seria a primeira árvore há florescer na primavera, logo após o inverno. E por isso fala da nova vida, pois eu mesmo costumo dizer que: O verão cria tudo, porém, o inverno mata tudo! Alguns escritores relacionam a revitalização daquela vara, daquele ramo de árvore com a ressurreição de Cristo. Pois aquele ramo de árvore estava morto e reviveu, assim como o Senhor Jesus.

O propiciatório era a tampa da Arca, alguns especialistas dizem que ali era o Trono de Deus, era dali que Ele se manifestava, direto ou indiretamente ao Seu povo! Em cima da Arca aparecem dois Querubins, eles são os guardiões do Trono de Deus. Os Querubins lá no começo da nossa era já guardavam o caminho da árvore da vida, para que os nossos pais Adão e Eva não voltassem e não comessem do fruto da árvore da vida agora em pecado. Mas aqui no Tabernáculo eles estão associados à graça. Suas asas estavam estendidas sobre o propiciatório. Suas faces inclinadas olhavam como que em admiração para o sangue que fora espargido na Arca.

  E tomará do sangue do novilho e, com o seu dedo, espargirá sobre a face do propiciatório, para a banda do oriente; e perante o propiciatório espargirá sete vezes do sangue com o seu dedo. (Bíblia Sagrada) Lev. 16: 14. Jesus, o Cristo o Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque também entrou no Santo dos Santos Celestial levando o Seu próprio Sangue há Presença de Deus. ─Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação, nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção. (Bíblia Sagrada) Heb. 9: 11 – 12.


 

P 32


                                      O Santo dos Santos


                              


Aqui se vê o Santo dos Santos, estamos olhando pela parte de trás do tabernáculo; a parede foi removida. Vemos a Arca e também o propiciatório com os querubins que eram colocados sobre ela. O Sumo Sacerdote sempre usava um magnífico vestido bordado, mas uma vez ao ano, no dia da expiação, se vestia de branco. Nesse dia ele atravessava o Santo Lugar e, passando também o véu, entrava até o Santo dos Santos. O véu que separava o Santo Lugar do Santo dos Santos é a  figura que nós vemos lá nos fundos, aquele era o véu que se rasgou quando o Senhor Jesus, lá na cruz inspirou, e morreu, abrindo-se assim para nós o acesso há Presença  de Deus.


                                  


A Arca da Aliança era revestida de ouro por dentro e por fora. Ainda que Deus seja tão grande que nem mesmo os Céus dos Céus possam contê-lo; Ele em Sua grande bondade, condescendeu em estabelecer aqui o Seu Trono. Sobre a Arca havia uma prancha de ouro puro medindo, um metro e vinte e cinco centímetros, por setenta e cinco centímetros, a qual era o propiciatório. Ligados em uma só peça com o propiciatório havia dois querubins de ouro. A página anterior apresenta uma figura da Arca com os querubins em pé. Aqui o modelo supõe que estão de joelhos. As faces dos querubins estão voltadas para o sangue que o sumo sacerdote havia espargido sobre o propiciatório e que falava da expiação. O significado que tem para nós é que o pecador só pode se aproximar de Deus porque Deus vê o sangue: A obra consumada na cruz por Seu mui Amado Filho.


P 33


O Sumo Sacerdote.


Todo aquele que teve a oportunidade de ver pessoalmente o Sumo Sacerdote vestido há rigor, para desempenhar as suas funções na presença do Único e Verdadeiro Deus, pode ter uma noção de como será um dia poder olhar face a face para o Sumo Sacerdote que continua vivo para todo sempre. Jesus, o Ungido de Deus, aquele que deu Sua própria vida para resgatar a humanidade da perdição, e hoje depois de tudo que sofreu na Terra habita ao lado do Pai exibindo    à Sua Glória para a humanidade que, daqui, mais um pouco irá desfrutá-la na Eternidade.  


 


                                     


                                O Sumo Sacerdote vestido há rigor.


A estola sacerdotal (ou éfode) era de quatro cores: Azul, púrpura, escarlate e linho branco, toda entrelaçada com fios de ouro. Aqui temos uma linda figura de Cristo como Sumo Sacerdote pelos Seus. Ele ressuscitou de entre os mortos, subiu aos Céus e está sentado à direita de Deus.  Ele, como um misericordioso e compassivo Sumo Sacerdote, vive sempre para interceder pelos Seus, para ajuda-los em suas dificuldades. Ele leva o nome de Seus redimidos sobre Seus fortes ombros; além disso o nome de cada um dos Seus está gravado numa Pedra preciosa do peitoral, e assim também levado em Seu amante coração.



P 34           


         Aqui nós temos uma visão do Tabernáculo em funcionamento, durante o dia.


           


Aqui nós podemos observar duas imagens maravilhosas do mesmo Tabernáculo, esta imagem é ele durante o dia, sobre o Santo dos Santos, paira uma novem.

 


P 35


 

E aqui nós já podemos observar o mesmo Tabernáculo, funcionando á noite. Isso que se vê ao redor do Tabernáculo, é o acampamento do povo hebreu, na caminhada, na transferência, do Egito para a Terra Prometida!


 


   Descrição: tipologia_biblica01 


E aqui, nós temos o mesmo Tabernáculo a noite, sobre o mesmo Santo dos Santos, agora paira uma chama de fogo. Como já lemos em outro ponto, a nuvem durante o dia propiciava um pouco sombra, dando assim um pouco de alívio do sol escaldante do Deserto; e durante a noite, esta chama de fogo além de iluminar, deveria trazer ainda um pouco de calor, pois à noite o Deserto é gelado.


 


 


          Transcrito por:


Pr. Manoel Teixeira

Site: www.asotera.com

E-mail: man.tex@hotmail.com

E-mail: contato@asotera.com

Fones: (47) 3446-0031 / 9985-7616. (TIM)

Associação Teológica Renascer


 





Mais Matérias
:: Copyright © ASOTERA 2007 ~ Todos os Direitos Reservados ::
:: Site Desenvolvido Por Elite Y ::